Vídeo em destaque

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

A música profética




O texto abaixo é do pastor Bené Gomes. Seu conteúdo é simplesmente admirável, útil e prático. Com maestria, o pastor Bené desmistifica o real sentido do louvor profético e apresenta uma definição extremamente clara, coerente e produtiva para os dias atuais. Depois de mais de 15 anos de Evangelho, esta é a primeira vez que vejo um conceito satisfatoriamente preciso sobre o significado do conteúdo profético que o louvor carrega. Sempre que ouvia ou lia algo sobre o assunto, tinha uma clara impressão de misticismos e superficialidades em volta do tema. No meu ponto de vista, o pastor Bené encerra a questão de forma definitiva. Segue abaixo seu excelente texto.


A música profética


A música profética é aquela que traz a manifestação da presença de Deus para o cumprimento de um propósito que Deus estabeleceu para aquele momento! Pode ser cantada ou somente instrumentada. E ela será ou não profética baseada na sensibilidade espiritual de quem a executa. Essa música visa gerar um ambiente de liberdade para o Espírito Santo agir.

Três elementos definem a unção que se manifestará nessa música profética. O Caráter do músico, o foco espiritual e a excelência musical.


O CARÁTER

O  caráter fala do fruto do Espírito praticado diariamente. O caráter de Jesus, que é o que queremos evidenciar na nossa prática de vida, é o fruto do Espírito. Todo aquele que nasceu de novo pelo arrependimento se tornou uma nova criatura em Cristo, um filho de Deus e um cidadão do reino de Deus. Este reino tem a sua própria cultura, seus princípios, valores e conceitos. A maneira de pensar e agir de um cidadão do reino de Deus, não tem mais nada a ver com a maneira de pensar e agir de um cidadão do reino deste mundo. Jesus disse claramente em Jo.18:36 “…O meu reino não é deste mundo…”, fazendo uma distinção clara entre os dois reinos. Paulo garante que todos nós pertencíamos ao império das trevas, que é o reino deste mundo. Éramos cidadãos desse reino, mas pela graça de Jesus, fomos libertados desse reino, o reino desse mundo, e transportados para o reino do filho do seu amor, que é o reino de Deus. Essa experiência acontece pela fé na graça que nos foi disponibilizada em Cristo Jesus. 

Como cidadãos do reino, temos compromissos com novos valores, como por exemplo, a integridade. Em Ef.4:28a “Aquele que furtava não furte mais…”. É assim que devem ser os cidadãos desse novo reino, íntegros, honestos. E é assim com muitos outros valores como a fidelidade conjugal, o perdão, a generosidade, a transparência, a não mentira, a não indiferença, a linguagem sadia não obscena, a liderança servidora, a humildade e tantos outros valores que só podem ser praticados por quem tem o Espírito Santo no controle de sua vida. Esse é o cidadão do reino. E esse é o caráter de Cristo!


O FOCO ESPIRITUAL

O foco espiritual fala do compromisso que o músico precisa ter com a busca da presença de Deus no seu dia a dia. Eu falo sobre ser fervoroso no seu espírito e estar sempre cuidando para que essa chama não se apague. Muitos se distraem e esquecem de continuar exercendo o sacerdócio, que representa a busca intensa da presença de Deus diariamente. O sacerdote no antigo testamento tinha que trazer lenha ao altar todas as manhãs e todos os dias. Essa era a única maneira da chama não se apagar, do fogo não se extinguir. Lv.6:12,13. É disso que eu estou falando ao me referir a esse foco espiritual. A própria música pode ser um instrumento de entretenimento ao se tornar um fim em si mesma. No reino de Deus a música não é um fim, mas um meio, um canal, um veículo para se cumprir propósitos do coração de Deus. Deus usa a música, Deus usa os músicos, para cumprir seus planos e propósitos, para firmar as pessoas na comunhão com ele.

Devido à sua enorme exposição, o músico precisa ser necessariamente, um homem de oração como o é o pregador da Palavra, que traz a palavra nas reuniões da igreja. Quanto maior for a exposição, mais foco se requer e mais dependência de Deus. Todo músico é um sacerdote e ao mesmo tempo um profeta. Lembre-se que estamos falando da música profética, aquela que traz a manifestação da presença e da glória de Deus. Como músicos precisamos manejar bem a Palavra de Deus. Conhecer a Deus é necessariamente conhecer a Sua Palavra. O músico que conhece a Palavra sabe, por exemplo, que ao tocar, ele não está simplesmente exercendo um dom musical, mas preparando ambiente para Deus agir.  Eliseu buscou um músico que ao tocar, gerasse um ambiente espiritual capaz de sintonizar o profeta com a Palavra de Deus para aquele contexto em que estava vivendo (2Rs.3:15). Josafá ordenou que os músicos e cantores estivessem a frente dos armados na guerra contra os Amonitas e Moabitas em 2Cr.20:21. Davi separou músicos para o ministério afim de que profetizassem com os seus instrumentos (1Cr.25:1). Tudo isso está na Palavra. O músico precisa conhecer a Palavra para manter o seu foco espiritual em Deus. Quanto mais o músico conhecer a Palavra, mas ele poderá ser usado profeticamente.


PRINCÍPIO  DA  EXCELÊNCIA

O músico pra ser profético precisa entender e praticar o princípio da excelência. Temos inúmeros exemplos na Bíblia de homens que foram usados por Deus por serem muito bons naquilo que faziam. Quero dar pelo menos 3 exemplos:

(1) 1Cr.15:22 nos fala de um homem chamado Quenanias, que era entendido, perito em dirigir o canto na casa de Deus e que por isso foi levantado por Davi para esse fim.

(2) Pv.22:29 nos fala de uma pessoa qualquer que se torna perito na obra que faz, e que por causa dessa excelência com que faz as coisas, será colocado diante dos reis da terra. Ou seja, estarão nos palácios e lugares altos da terra. E o grande nome a ser citado aqui é o de José filho de Jacó, que com o seu dom de interpretar sonhos, acabou evidenciando o seu dom maior de administração com excelência. José tinha muita perícia na arte de administrar bem! E por causa disso Faraó o estabeleceu como o governador de toda a terra do Egito (Gn.41:39-41).

(3) Dn.6:3 nos fala de um outro grande exemplo de excelência, o profeta Daniel. Como havia nele um espírito excelente, ele sempre se distinguia dos demais, ao ponto do rei Dario pensar em estabelecê-lo sobre todo o reino.

Davi nos encoraja a tocar bem, a tocar com arte (Sl.33:3). É isso que precisamos incentivar os músicos a fazerem. Quanto mais bem preparados musicalmente, mais ferramentas estamos colocando nas mãos de Deus pra ele usar. O apóstolo Pedro por ser inculto e iletrado, não deixou de ser usado por Deus, mas com certeza se tivesse um nível de conhecimento maior, poderia ser mais usado ainda. O apóstolo Paulo é um exemplo a ser seguido, de um homem que conhecia e falava vários idiomas,  que tinha uma cultura vastíssima,  e não sem razão acabou se tornando o escritor da metade do novo testamento. É claro que não é a cultura, a sabedoria humana e os dons, a razão pela qual Deus usa alguém. Deus usa alguém que anda com Ele, que tem o fruto do Espírito em sua vida, e que o busca de todo o coração. Mas, se além disso, a pessoa ainda tem um espírito de excelência, com certeza o impacto será bem maior, podem ter certeza disso.

Músicos, paguem o preço estudando e se esmerando em ser cada vez mais hábeis e talentosos. O treinamento é imprescindível para a excelência. E quando falo de treinamento, falo de exercícios repetidos quase que à exaustão. Não é fácil se tornar perito no que se faz, mas não há outra maneira para se alcançar a excelência. O que nos encoraja é que agindo assim e perseverando nessa prática, logo colheremos os frutos. Todo mundo busca quem é realmente bom no que faz!


Fonte:


Um abraço a todos.


Marconi BS Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário